Maternidade, estilo e transformação

Cada coisa que acontece em nossa vida transforma a nossa maneira de vestir. Impacta no nosso visual. Não seria diferente com uma gravidez.

Só que o momento mais marcante para uma mulher que se torna mãe não está na gestação em si. Ou no corpo diferente, com barrigão, curvas pronunciadas…

A grande transformação acontece após o parto. Naquele momento no qual a gente se vê diferente. Por inteiro. Externamente e interiormente.

100% intenso

Já pensou em como é maluco ter um corpo um dia, outro depois de nove meses e uma terceira silhueta logo depois? É tudo muito intenso!

São sensações tão profundas que não ficam só no visual. São questões internas. Questão de sentimentos. Medos, ambições, vontades… um bebê muda tudo.

E as peças do guarda-roupa antigo, aquele que talvez até mesmo funcionava bem, por vezes perdem sentido. Como explicar? Não há uma razão lógica… é tudo muito emocional. Vai além do corpo que muda. Vai além, também, do novo papel.

E, aí, chega a hora de refletir. De, em meio a uma rotina corrida – maluca, eu sei – reservar um tempo para pensar sobre gostos e vontades. É uma hora incrível para rever o guarda-roupa. Para fazer aquela superlimpeza. Um grande desapego. E planejar novas aquisições.

Dá até mesmo para melhorar aquilo que antes já incomodava. Uma oportunidade para se recriar. Ou para voltar à essência.

Tudo novo e um novo visual

Um bebê, um filho, é tudo muito novo! Tão novo que para algumas mulheres, pede um novo visual. Pensado para a mesma pessoa de sempre, em nova versão. Sem que isso afete ainda mais a autoestima. Sem grandes cobranças. Sem surtar muito com as mudanças do corpo – algo que eu mesma venho lutando contra nas últimas semanas.

Sem peso.

A maternidade transforma e convida para uma evolução. (1) Para sermos melhores, dentro das nossas vontades e possibilidades. (2) Para valorizarmos o que realmente importa, longe do consumismo e das amarras da indústria da moda. (3) E para ter um visual que realmente funciona, sem drama ou dor em frente ao guarda-roupa.

Uma experiência literalmente prática

Como consultora de estilo e mãe de primeira viagem estou neste processo de transformação. Pensando sobre como quero me apresentar ao mundo a partir de agora que não sou mais só o que era antes. Sou, também (mas não somente) a mãe do Francisco. E estou vivendo, na prática, o que já vivi com outras clientes. Só que agora é diferente. E tem que ensinado muito.

Quer conhecer a consultoria de estilo? Me escreve no amanda@amandamedeiros.com.

Transforme a sua imagem sem gastar um centavo

Pode ser tentadora a ideia de renovar todo o guarda-roupa. Jogar fora tudo o que não combina mais com você. Sair para fazer compras. Recomeçar do zero – com direito a corte de cabelo, curso de maquiagem e um personal stylist para montar os seus looks toda semana.

Pode ser sim interessante a ideia de se livrar do passado e recomeçar sem utilizar nenhum rascunho antigo… mas, é também irreal.

As transformações de imagem pensadas para pessoas de verdade, com contas para pagar, trabalho para lidar e toda uma rotina normal para viver, esbarram nas dificuldades de uma vida real. Orçamento limitado, tempo escasso, e até mesmo aquela preguiça de levar em frente novos projetos entram no caminho.

Mas, o que acontece se eu te contar que é sim possível transformar a sua imagem sem gastar um único centavo?

Vida real, grandes ambições

Esse é um projeto para hoje. Para agora. Com resultados instantâneos e até mesmo uma maneira de se motivar mais para se jogar de cabeça em uma maior transformação.

Para hoje, é preciso mudar o seu jeito de olhar para o seu guarda-roupa. Apagar aqueles looks viciados, as combinações repetidas, as formas de usar que já te cansaram – e não trazem bons resultados.

É preciso dizer “chega” ao que não alegra mais. Parar de usar hoje, agora, qualquer peça de roupa ou acessório que não te deixa confiante.

Sei o que você está pensando… pode estar passando pela sua cabeça que se você fizer isso, não vai sobrar nada para você usar! Certo? Errado! Vai sobrar sim. Não precisamos de muitas roupa no nosso dia a dia. E o conceito do guarda-roupa cápsula chega para reforçar essa ideia.

É preciso acreditar nos seus instintos. Combinar e aceitar que as criações são interessantes.

O medo de errar, de se sentir feia o dia todo, ou de ficar triste com o visual, gera insegurança. O que faz com que a gente repita sempre os mesmos looks. Até os que não funcionam. Porque achamos que o que é ruim é menos mal do que sair da zona de conforto. Ledo engano. Monte um look, inspire-se, até mesmo reproduza (tá, copie) e acredite no potencial das suas ideias.

É preciso valorizar a simplicidade.

Descomplique o vestir

Um look bem montado, acertado, não precisa ser um look necessariamente superproduzido. Pode ser aquele atemporal. Sem exageros. Básico, feito com clássicos. Descomplique o seu vestir. Combine peças atemporais. Desapegue tanto das tendências quanto dos modismos.

O que você precisa para transformar a sua imagem pode estar bem perto de você. No seu guarda-roupa. E em uma nova maneira de olhar para o que você tem.

No YouTube: como criar looks novos com roupas velhas

Aprenda a valorizar a sua imagem e tenha um novo relacionamento com o seu guarda-roupa. Detalhes no amanda@amandamedeiros.com.

Sete passos para um 2017 melhor

A menos de uma semana da virada do ano, o que não faltam são preparativos. E, para muitos, expectativas. Mas, a gente sabe. Nada muda se a gente não muda. E se não saímos da nossa zona de conforto é impossível que possamos vivenciar algum tipo de transformação.

Sempre em tempo

Se faltam poucos dias para o ano novo, vale trabalhar com uma meta de uma pequena mudança por dia ou um exercício por vez. E, daí, se preparar para um recomeço que seja representado por aquilo que mais importa por você.

Passo 1: Organize o seu guarda-roupa

Pode parecer clichê, e talvez até mesmo seja. Mas, praticar o desapego antes de um momento de mudança é como dizer que você está disposta a deixar o velho ir. E abrir espaço para o novo. É mostrar coragem, desapego, desprendimento. Além do mais, o momento pode ser aproveitado para fazer uma boa doação de peças. Em um ato de solidariedade e caridade.

Passo 2: Peça perdão

Cada um de nós passa por desentendimentos, dos mais diversos. Pelos mais estranhos motivos. E, se não agimos (esperando a ação do outro) uma bobagem pode ser alastrar por muito tempo. Assim, perdemos amigos. Pessoas queridas. Nos afastamos de quem já nos fez muito bem. Reflita sobre as pequenas confusões do ano que se encerra. E aproveite para dizer, me desculpe. Todos nós erramos. E ter a humildade para reconhecer é o que faz de nós grandiosos.

Passo 3: Exagere e extravase

Tá bom, a gente sabe. O ano não foi fácil. Foi, no mínimo, peculiar. E pode ser que você tenha ficado tensa. Preocupada com o futuro. Então, se dê um dia de relaxamento. Não precisa ser uma massagem, mas algo que te faça se sentir livre! Pode ser sair para dançar, tomar uns drinks com as amigas, massagem relaxante em um SPA urbano, curtir uma tarde de preguiça no shopping (com direito a cinema), ou uma orgia alimentar. Sabe?! Ninguém quer começar um novo ano com tensões desnecessárias.

Passo 4: Homenageia quem você ama

Na correria do ano pode ser que você tenha passado pouco tempo com as pessoas que ama. E, por mais que não seja o indicado, acontece. Que tal fazer aquela visita, curtir uma tarde ou convidar para um jantar aqueles que são parte da sua vida? Quebre a desculpa da falta de tempo.

Passo 5: Cuide de você e do seu lar

Nossa imagem e nossa casa são extensões da nossa personalidade. E é delicioso começar um novo ano com tudo funcionando bem. Ou, ao menos, longe do caos. Organize o que puder, melhore o que conseguir e valorize aquilo que está sob o seu exclusivo controle.

Passo 6: Encare um balanço anual

Tire alguns instantes do seu dia para refletir sobre os acontecimentos do ano. Não aqueles de impacto político ou econômico. Mas, aqueles pessoais. Detalhes da sua carreira, ou da sua vida afetiva. Coisas boas que você conquistou, obstáculos que superou. Veja onde você mais acertou. E, prenda-se a tudo o que foi bom e que te trouxe uma sensação de vitória. Sobre as falhas, agradeça por elas. E tente perceber formas de fazer melhor da próxima vez.

Passo 7: Anote os seus planos

Estabeleça metas para o próximo ano. Seja um pouco ousado. Coloque no papel os seus sonhos. Tenha coragem de tirar da mente o que você quer para a sua vida. Numere as coisas que você gostaria que acontecessem com você e guarde para fazer um balanço assim que o novo ano acabar. E, claro, lembre-se constantemente do que pode fazer você mais feliz. E do que, por ventura, você gostaria de realizar.

Ative o ‘modo transformação’

Cada pequena atitude já é um movimento que nos leva à evolução. Acredite na sua capacidade de se reinventar. E descubra, sempre que necessário, a sua nova melhor versão.

Que tal começar o novo ano com uma Consultoria de Estilo? Me escreva no amanda@amandamedeiros.com.

Vem ver mais no YouTube

Na busca pela mudança

São muitos os que observam o passar dos dias sem reagir. Nós não precisamos ser um deles. Podemos fazer algo na busca pela mudança

Esperar que as coisas melhorem sem fazer nada pela transformação… Como pode algo tão fadado ao desastre seduzir?

Infelizmente, o trabalho do dia a dia, os esforços que fazemos rotineiramente, não são o suficiente para que a vida melhore. É preciso fazer mais. Mais do que questionar a sorte alheia. Mais do que se conformar com um destino que não agrada. Muito mais do que lamentar a boa vida de quem vive como se fosse fácil. Talvez seja. E alimentar-se de lamentos é cômodo, só que não transforma.

comece-agora

São muitos os que observam o passar dos dias sem reagir. Dopados pela mistura de excessos, entre os exageros da comida, da bebida, entre outros vícios como a televisão, a internet, a fofoca… E tudo parece normal. Quando, na verdade, não está bom.

Anestesiados, não conseguimos reagir. Não temos força – ou mesmo vontade – para lutar pelo que queremos. Mas, por que não? O que nos prende ao sofá? O que nos segura no pior lugar possível?

Aqui, ou ali, há uma permanente chance de fazer com que algo dê certo. Ou fique melhor. E os anos que já passaram, com fama de perdidos, podem ganhar nova conotação. Aquela do tempo do aprendizado. Que foi o momento que fez surgir o desejo mais forte pela transformação.

Até quando esperar?

Sempre escutamos que devemos viver o hoje. E sim, assim tentamos. Ao menos na teoria. Mas, ainda que inconscientemente, por muitas vezes postergarmos escolhas, decisões ou investimentos por medo do que pode vir depois ou, então, por não acreditar que a hora em questão é a hora exata para tal. Mas, até quanto esperar?

now

Há, por exemplo, quem acredite que é essencial aguardar a chegada (na vida) de alguém especial para usar aquela lingerie cara, a camisola linda, ou mesmo a roupa de cama de altíssima qualidade. No baú das esperanças há mais do que um enxoval de casamento (ou relacionamento). Há um enxoval de emoções que presas aguardam o outro, o olhar do outro, a concordância do outro. Enquanto isso, a roupa mais ou menos segue servindo… a calcinha furada, o pijama rasgado, a toalha dura de tão judiada… não dá… enquanto no armário existem tantas opções melhores para se alegrar e mimar a autoestima…

Somos nós o nosso mais puro tesouro. E, sim, devemos nos amar para conseguir amar plenamente outra pessoa ou mesmo nossa profissão. Quanto melhor nos sentirmos, melhor iremos nos comunicar e relacionar com o outro e, por que não?, com a vida. Por isso, cuidar de si mesmo é uma maneira de cuidar de tudo o que prezamos. Todos saem ganhando. Coisas interessantes – incluindo o jogo de pratos bacana, o jeans perfeito e o perfume importado – não foram compradas para ficar esperando.

A autorização para se mostrar melhor parte, também, daquela liberação íntima e pessoal para ser uma pessoa melhor no momento atual. Sem precisar esperar o próximo mês, o próximo ano, o 13º, a herança prometida pelo tio-avô, ou o resultado da próxima rodada da Mega. Dentro do possível, a hora é agora. A hora para se exercitar, para organizar a casa, jogar fora o lixo acumulado, retocar o cabelo, costurar as roupas rasgadas, seja o que for! Não há férias ou folga, dinheiro extra ou bônus que façam despertar o gosto pela mudança. Ser a melhor versão do que somos depende de nós e pode começar agora!

E para quem acredita que é preciso esperar a riqueza para ter um estilo de vida diferente, investir no visual, adequar o guarda-roupa a uma imagem tão desejada, pensar mais em espiritualidade, melhorar o relacionamento com a família, ou simplesmente começar a pensar mais em si mesmo, saiba que não é bem assim que funciona… o dinheiro apenas amplifica o que somos. Ou seja, não muda a nossa essência. Uma pessoa com baixa autoestima e pouca confiança será sempre assim caso não abrace o poder da transformação.