Até qual idade uma mulher pode usar barriga de fora?

Barriga de fora. Até quando usar? Até qual momento da vida nós, mulheres, podemos optar por mostrar, sem medo, o umbigo ou uma faixa de pele na altura da cintura? Ou mesmo, quem sabe, toda a barriga?

Porque não há uma resposta definitiva.

Aliás, é impossível chegar a uma única solução: certo ou errado não existe. Ao menos não por aqui, onde cada qual pode criar suas regras, tendo como objetivo central uma autoestima elevada e boas doses de confiança.

Mostrar ou não mostrar, eis a questão

Expor, ou revelar, o corpo é uma decisão pessoal que precisamos aceitar (respeitar).

Afinal, independe das curvas, do peso ou da idade, cada um tem, ou deveria ter, o domínio de suas escolhas. Porque, cobrir a nudez com o que seja uma extensão de uma personalidade e de sua identidade, é um objetivo nobre. Principalmente na construção de um estilo pessoal – que seja sólido e fiel à sua essência.

Se o que você busca são razões para se mostrar um pouco mais, ou menos, saiba que elas podem até ser resumidas em alguns tópicos. Que, aqui, não trazem as respostas que são, geralmente, compartilhadas.

Regras para barriga de fora

Use barriga de fora, se:

  • Você quer, ou acha bonito;
  • Combina com sua personalidade, com seu estilo;
  • Vai fazer você se sentir bem, bonita, confiante, sensual ou livre;
  • Se você se olhar no espelho e se sentir bem! Entenda aqui!

Não use barriga de fora, se:

  • Você se sentir insegura, sem graça;
  • Se você for ficar incomodada com o resultado;
  • Ao se olhar no espelho, achar esquisito ou estranho;
  • Não gostar, não achar bonito, não tiver vontade.

Parece simples, porque é.

E antes de cair no arriscado mundo das cobranças por um corpo magro, sarado, barriga negativa, gominhos, fitness, lembre-se que os padrões de beleza mudam MUITO de tempos em tempos. Não se escravize por tal.

O tempo que você perde tentando, por vezes, se enquadrar, é tempo desperdiçado.

Até qual idade a mulher pode usar barriga de fora, então? A resposta é: até quando ela (ou você) quiser, na medida que se sentir bem, da forma que lhe favorecer e combinar com a sua personalidade.

Para usar barriga de fora

Barriga de fora pode existir com um pedacinho revelado, por meio de recortes na peça, com a barriga 100% a mostra ou com uma transparência. Perceba que são muitas as variáveis. Acima de tudo, há muito para explorar.

É legal que você encontre a que te parece legal. Se não gostar, então deixe de lado.

Viva a moda da forma que lhe convém.

Conclusão? Seja feliz em frente ao espelho. E ame o seu visual. Assim a vida fica tão mais fácil…

SalvarSalvar

Quando desejei uma imagem que não era a minha

Por muito tempo senti culpa pelas curvas. Pelo quadril largo, pelas coxas grossas. Passei a desejar um corpo que não era meu. Que fosse magro, esguio e fino. Que fosse mais reto, sem volumes. Me sentia culpada e julgada pelos movimentos. Pela sensualidade. Queria ser mais reta. Seria mais simples.

Não queria ser eu.

Por sua vez, meus cabelos cacheados, encaracolados, pareciam agressivos. Complicados. Não ficavam bonitos em um rabo de cavalo. Estavam, sempre, cheios de frizz. E as meninas consideradas mais lindas não tinham os fios assim.

E eu não gostava de ser diferente.

Mulheres empoderadas

Mas, a moda dá suas voltas. E, em uma temporada que traz empoderamento, volto a sentir o direito de ser quem sou. O direito de usar o short super curto, mesmo com as pernas grossas, com celulites. O direito de deixar os braços a mostra, mesmo que eles não sejam finos e retos demais. O prazer em me sentir bonita e desejável, sem que isso seja um erro – um absurdo.

Quando a gente deixa de se esconder, a gente se encontra. E que bom que a moda hoje nos permite tudo isso. Vai ter e tem roupa curta. Sutiã aparente. Foto de bunda no Instagram, que não seja só a da musa fitness.

Tem de tudo e mais um pouco.

Tem chance para quem quer se sentir bonita e se mostrar. Para, sim, conquistar mais confiança por meio de “likes” – por mais que seja polêmico. Para ter boas lembranças. Para ficar claro, de uma vez por todas, que não precisamos mais buscar um padrão para poder se amar.