Roupas são apenas coisas

Publicado em Categorias Conversinha

Roupas guardam memórias, lembranças, mas nada mais são do que parte de nossa história

Abrir mão de roupas, acessórios, pode parecer difícil. Há sempre aquela sensação de que suas roupas são o que você é, de que elas são sua história, sua essência. No entanto, as roupas não são todo o seu passado… elas são apenas parte de lembranças e memórias de algo muito maior, que não será esquecido facilmente. Elas são elementos, pedaços de tecido utilizados como linguagem, como objeto que funciona como ligação entre você e o mundo. Roupas são como símbolos. Já não é nenhuma novidade a importância de abrir mão do que é velho para deixar o que é novo entrar. Essa conversa já é antiga e essa é, de verdade, a chave para uma nova fase, de novas conquistas. O hábito de acumular coisas que trazem boas lembranças pode ser vicioso, mas pode também ser traço de uma compulsão, de uma dificuldade de se libertar do que passou. E quando alimentamos esse hábito estamos também alimentando um ciclo que dificulta qualquer evolução. Já pensou que novas roupas, novos calçados e acessórios podem ser a chave para novas ótimas histórias?! E ai, aquela roupa que você usou há anos atrás, não será esquecida – não será anulada da memória pero mero fato de sair do guarda-roupa. Ela ainda estará viva nas histórias, em fotos, em lembranças, em casos contados e descritos com formas e cores que são apenas um detalhe de um dia, ou um momento, muito mais especial! Devemos nos apegar ao que somos, ao que vivemos, e não tanto ao que temos. Coisas são e sempre serão apenas coisas…. são bens materiais bem menores que sentimentos. Suas roupas, então, não são o que você é – elas vestem algo muito maior, muito mais importante! Você é o seu maior bem. Daí o motivo pelo qual cuidar do que não conseguimos ver (da nossa saúde física e mental) é tão importante, mais importante do que ter todas as tendências e modinhas que custam tanto no orçamento mensal. Vamos viver pelo que mais importa e usar a moda como elemento, como complemento, e não tanto como essência. Vamos usar a moda para o hoje, sem excessos, para que haja espaço para outras tentativas amanha.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *