Opps, tô nude!

Publicado em Categorias Vamos Usar

Quem ainda não pensou em usar nude que jogue a primeira pedra! Apenas um pensamento gavo serve. Olhamos torto pra tal tendência, fechamos a cara, mas ainda assim queremos muito esse neutro tom de pele para servir de base às nossas composições. Não há como fugir de uma boa tendência e se as referências são encantadoras, não há razões para não ceder.

Logo de cara eu torci o braço pra toda essa história de nude, mas hoje já me pego usando
looks completamente clarinhos, rosados ou acinzentados, sem medo de ser feliz. Assim como a de muitas minha preocupação central era a de não ficar com cara de doente, ou mesmo com o visual apagado e volumoso. Pois então. Existem formas simples e muito eficientes de se deixar a roupa mais interessante, ainda que neutra.
  • Se o tom é pastel, que não chama muita atenção, vale se jogar em modelagens bem diferenciadas, apostando no equilíbrio onde algo pega o foco enquanto o outro lado fica quietinho – bem mineirinho.
  • Se o tom é neutro, se faz possível brincar com texturas e metalizados que acrescentam mais charme e diferenciação a produção, só que nesse caso vale tomar cuidado com shape muito bagunçado; foque nas linhas limpas.
  • Se a peça é nude, e a modelagem é limpa, pire nos acessórios ou jogue com sobreposições, dando uma enriquecida básica na produção; com isso você ainda ganha o poder de mudar seu visual, sem precisar se esforçar.
  • Combinar com tons vivos, profundos, é receita fácil de sucesso onde você pode deixar o nude pra região que quer disfarçar, fazer sumir, e o tom mais marcante pro ponto que você deseja valorizar – lembrando que o efeito contrário também funciona, se o complemento for de alguma forma mais neutro que o próprio tom pastel.

nas lojas, com pensamento total verão, vemos brotarem ideias nos lookbooks das marcas que a gente gosta e usa ou não, né. Na Coven, logo acima, podemos reparar a ideia de misturar o nude com um tom marcante, que nesse caso é igualmente neutro; repare que com os acessórios as composições crescem muito e ganham mais identidade… caso contrário seriam montações normais. Outra proposta da marca é a mistura de cítrico com pastel, convivendo em perfeita harmonia. É perigoso, mas pode ficar bacana.
Aqui na Alphorria Cult temos nude com nude, em diversos tons, de maneira bem despojada. O que faz as composições funcionarem é justamente a modelagem diferenciada das peças, que aplicam força ao conjunto; novamente os acessórios entram como personagens importantíssimos da história, e delineiam as curvas a serem valorizadas – vide cintura, pernas. E no próprio tecido aparecem interferências, trabalhadas em degradês ou mesmo em estampas localizadas. Porque as marcas sabem que a consumidora não quer ficar com cara de sem graça ou sem sal, então já fazem o trabalho de levar até as lojas algo mais cheio de história.


Já com a coleção da Alphorria, de tonalidades semelhantes a anterior por razões óbvias, né as peças crescem em feminilidade e ficam um pouco mais adultas, só que ainda seguindo essa linha da diferenciação que já sai do produto e não precisa de forma pesada na hora da montação. Mais misturas de tons, mais de pequenos volumes, com um resultado bastante real e possível de se visualizar já nas ruas daqui alguns meses ou semanas. Interessante pensar ainda na presença do branco, que é a cara da estação e pode bem funcionar como um substituto, um tanto quanto mais trabalhoso, para o preto. Que suja fácil, é fato… mas nem sempre engorda.

Mas tá. O que eu acho mais bacana nos lookbooks é que eles são super reais, prontos pra ir pro guarda-roupa e pra rua mesmo; o que não é tão bacana é copiar toda a composição direto da loja pro seu acervo, porque acaba sendo um exercício fácil que poupa um tiquinho do trabalho gostoso que temos na hora de criar algo. O que vale é se inspirar profundamente nas ideias propostas e tentar imaginar o que do seu guarda-roupa pode fazer a função de uma peça ou outra, complementando a compra e potencializando seus investimentos. Nada melhor que um lookbook pessoal… é incrível. E com esse papo de nude, um tanto quanto novo, temos que ir colhendo inspirações de todos os lados, com vontade de usar; pode acontecer também dessa pesquisa visual acabar lhe convencendo de que essa história simplesmente não mexe com você.

6 pensamentos em “Opps, tô nude!”

  1. Amanda! Se eu for comentar seus posts por merecimento, vou ter que comentar em todos rsrs.
    Seus posts para mim, são verdadeiras aulas…
    Adoro seu blog, viu?
    Beijinhos

  2. Oi mandinha. Achei difícil essa exposição!.. Acho que não entendi a parte de chegar a conclusão de que não tem nada a ver com você. Às vezes nem tudo, tudo depende da criação também, às vezes uma ou outra coisa exagerada. Mas são detalhes que devem ser discutidos com muita calma. Não é possível fazer conclusões baseado apenas nas impressões. Acho que não entendi quase nada. Você poderia me mandar uma explicação mais detalhada? Gostei desse negócio de nude. Meu e-mail pra contato é amandae.bsilva@gmail.com Tenho dúvidas se você responde por e-mail ou não. Se achar mais conveniente pode responder via comentária mesmo. Beijinhos.

  3. Amanda, estava vendo seu post sobre o Privalia e gostaria de te pedir, se possível, que me convidasse para o Coquelux. Teria como?
    Meu e-mail é ca_pmr@hotmail.com

    Muito obrigada e sucesso no seu blog, beijos.

  4. Érica, Vivi, Cristiane… fico muito feliz com os comentários. =) Cada 'oi' já faz meu dia e me dá vontade de postar mais e mais.

    Amanda, respondi seu email, vc viu?! Costumo responder por aqui pra dar a chance de todo mundo acomapanhar a conversa. De toda forma Amanda o que eu quis dizer é que ninguém é obrigado a usar o nude (ou qualquer outra tendência) e que é importante as pessoas terem noção disso. Bjs!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *