As coordenadas do mapa da felicidade

A vida é cheia de chances, de oportunidades e de recomeços. Há o tempo da vida, o tempo de Deus (para os que acreditam) e o tempo do próprio tempo… se são diferentes? Não há como saber ou dizer ao certo. Seria sabedoria demais em um mundo onde somos parte pequena, ínfima, de um todo. Mas, sabemos que há muito mais do que conseguimos entender ou dizer.

No mapa da vida há um GPS sentimental que possui as coordenadas até a tal tão sonhada felicidade

Por vezes é difícil imaginar anos como dias, como uma pausa entre algo que momentaneamente deu errado, mas poderia ter dado certo. Às vezes, é complicado aceitar que aquele tempo era necessário, importante para que as pessoas pudessem perceber a importância de uma e da outra na vida um do outro. De toda forma, esse tempo ensina e, com outras vivências, mostra como cada experiência possui seu valor e que se duas pessoas vivem se reencontrando, é porque há algo de especial naquela história. Pode haver o que era para ser, ou pode haver o que não era nada… não há como saber.

Não há como negar. Coincidências são meros presentes do destinos, são orientações do mapa da vida que tenta, insistentemente, nos levar até a felicidade. Vale seguir esse GPS sentimental e, daí, alcançar a tal felicidade que, mesmo que temporária, é maravilhosa! Vale cada segundo, cada sorriso, cada abraço, cada troca de olhares que vem cheia de carinho… desses sentimentos que são raros no tempo das relações superficiais. Por isso, vale tentar de novo. Vale tentar sem medo para que, quem sabe, o desfecho seja o tal final feliz. A vida é feita de oportunidades e, em alguns casos, essas surgem após momentos de turbulência e de sofrimento, que apenas abriram caminho para algo mil vezes melhor e mais sincero.

Texto originalmente publicado em 15 de fevereiro de 2012.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *