Inspiração de moda em Animais Noturnos

Um filme dirigido por Tom Ford, mas sem peças de Tom Ford. Consegue imaginar? Pois, bem. Estou falando de Animais Noturnos. O longa incrível conta a história de Susan Morrow (Amy Adams), uma negociante de arte que recebe um manuscrito de seu primeiro marido. E que, a partir disso, relembra traumas e fracassos de seu passado. É como um livro dentro de um filme com boas reviravoltas e uma trama bem intrigante.

pode conter spoilers

É impossível não admirar a parte estética de Animais Noturnos. De maneira geral, a questão visual é muito forte. E a personagem de Amy Adams esbanja perfeição e elegância. O que, superficialmente, é bem intenso. Mas, aos poucos, suas fragilidades vão sendo reveladas.

É muito bacana perceber isso em um filme. A maneira que as roupas podem criar, na superfície, uma sensação que se desfaz quando o distanciamento é quebrado. Quantas vezes já não percebemos isso com pessoas do nosso círculo de convivência?

tom ford, Estilista e diretor

Como diretor, Tom Ford não deu pitacos no visual de Susan. Por mais que algumas linhas e formas do figurino lembrem o estilista. A figurinista Arianne Phillips, aliás, afirma que ela não trabalha com o Tom Ford designer de moda. “Eu trabalho com o Tom Ford diretor de filmes”. Foi, aliás, a segunda parceria da dupla, que já havia atuado junto em Direito de Amar.

A figurinista ainda lembra que, em suas escolhas, ela buscou um exterior que combinasse com o interior. Reforçando a ideia da alienação, isolamento e e um casamento infeliz. “O vestuário tem que criar para o ator e para a audiência essa camada visual que complemente a vida interna“, explica Arianne.

Uma estética impecável, até demais

Todos os detalhes também foram pensados na busca por contrastar e combinar os personagens com a estética dos cenários. Seja nas horas mais sofridas, seja da galeria de arte, ou da residência da personagem principal, no caso de Susan. E a vulnerabilidade também aparece nos momentos em que a personagem de Amy Adams está em peças confortáveis, sem maquiagem, quase que desmontada, se deixando levar pela história do livro. Em alguns momentos é possível pensar: como pode algo dar errado na vida perfeita de alguém tão maravilhosa?

As roupas não têm a assinatura de nenhuma grife famosa. Como pode parecer. “Eu não queria usar em Amy roupas de nenhum designer que pudessem levar a audiência para algum lugar fora do filme”, conta Arianne Phillips. “Tentamos criar um mundo próprio para ela, com roupas que pudessem ser relevantes em seu tempo, mas que não dissessem muito”, completa. Todas as peças foram desenvolvidas pela equipe da figurinista.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *