Formal e profissional

Publicado em Categorias Moda TeóricaTags

Certos ambientes profissionais pedem por um visual um pouco mais sério, formal, e não permitem grandes exageros. É preciso focar na limpeza visual, na neutralidade do gênero (sem apelar para a sensualidade) e na seriedade como elemento central. Tal tipo de visual formal profissional cabe em agências de banco, grandes multinacionais, cargos de gerência, empresas ligadas a advocacia ou outras áreas nas quais a criatividade deve estar somente (e olhe lá) nas ideias. Ainda são muitas as áreas conservadoras nas quais é preciso deixar os modismos um pouco de lado e investir muito mais na forma, e no caimento, do que na ousadia.

Alguns itens clássicos como a calça de corte reto, a camisa branca de manga longa, o blazer seco, o vestido tubinho e a saia lápis são elementos quase que previsíveis para esse universo e, por isso, são os mais indicados. Não há mal em seguir o padrão… mas, você pode seguir esse padrão com grande sabedoria. É possível se destacar usando a mesma lógica que todos ao seu redor tilizam.

A verdade é que existem ocasiões nas quais sair muito do padrão, do básico esperado, é um risco desnecessário. Essa ousadia pode parecer vez ou outras nos acessórios ou em algum ponto de cor que fuja um pouco do mix preto, branco, cinza e bege. Cabelos amarrados em rabo de cabalo, coque, ou mesmo um óculos de armação diferente funcionam como artifício diferenciador.

Ainda assim, alguns detalhes charmosos deixam na mesa a essência da feminilidade, algo também importante que pode ser pensado mesmo com o gênero em segundo plano. Vale pensar em estampas como as bolinhas, a cintura marcada por delicado e estreito cinto, um suéter jogado nos ombros, ou sobreposto a camisa, ou mesmo um jeans combinado a camisa e blazer para um casual friday.

Tecidos impecáveis são essenciais e, mais do que tudo, devem estar combinados a peças limpíssimas. Comprimentos sempre na linha dos joelhos (ou abaixo) e aproximadamente um dedo de espaço entre a roupa e o corpo (é o espaço que te livra da vulgaridade). Roupas ajustadas, mostrando noção de espaço e de adequação, e foco na produção. Afinal, de nada adianta se vestir como uma modelo da J.Crew (cujo lookbook antiguinho ilustra o post) e ser uma péssima profissional. =)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *