Como escolher a lingerie certa e como fugir do “efeito fraldinha”

Não é porque ninguém está vendo o que você usa por baixo da roupa que essas pequenas peças não são importantes. Pois são e muito! A lingerie certa faz toda diferença!

A escolha da calcinha e do sutiã é, aliás, determinante para o bom funcionamento de um look. Lembre-se de quantas vezes você não viu, por aí, calcinhas marcando a roupa, ou mesmo sutiãs que amassam os seios e geram impressões um tanto quanto estranhas, sabe?

Vale dizer, também, que a lingerie que escolhemos diz muito sobre nossa autoestima e confiança. Pode conter segundas intenções, ou mesmo a valorização da silhueta.

Você é quem sabe.

Quais são então os cuidados que você deve ter ao escolher a lingerie?

Fique de olho no tamanho certo da calcinha e do sutiã. Nada de calcinha pequena, ou grande; nada de sutiã apertando, ou sobrando nos seios. Não fica legal, mesmo! A lógica para perceber o tamanho certo da lingerie é a mesma usada com uma roupa qualquer. Precisa ser ajustada, não colada.

Texturas, estampas e detalhes podem interferir no resultado final da sua roupa. E, a não ser que seja intencional mostrar um pouco do sutiã (ou muito) pense se a cor não vai saltar demais no tecido da roupa, ou se a peça que você quer usar é muito coladinha e por isso pede uma lingerie lisa, neutra, quase que invisível.

E o nude?

Falando sobre neutro, não há uma cor de lingerie que seja neutra para todo mundo! Voltamos pra história do nude. O que é nude? Qual cor? É aquela que copia o tom da sua pele. Para uma mulher branquinha, o nude pode ser um bege rosado; para a negra, um bege quase marrom. Compare com o seu tom de pele e tá tudo certo.

Sutiãs são especialmente delicados. O tamanho do bojo deve ser avaliado, não só o tamanho das alças, sabe? Várias lojas, como a Loungerie – não é jabá – fazem as medições e te ajudam a descobrir qual a tamanho perfeito do seu sutiã. Faça isso. É importantíssimo!

Ah, a calcinha. Não adianta ser linda, se não é o modelo mais adequado pra peça de roupa que vai por cima. Em alguns casos, a tanga, ou um modelo sem costuras, é o que mais funciona – veja o que você considera mais confortável. Em outros, uma calcinha muito pequetita pode ser reveladora demais. Há também a chance de você usar uma calcinha com cintura alta, que ajuda a “firmar” a barriguinha. Ou, se estiver com vontade, uma daquelas com enchimento no bumbum. Não tenha medo dos julgamentos e use o que mais te alegrar.

Calcinha que marca x calcinha que não marca

Um ponto importante, como já citamos, é o fato da calcinha marcar, ou não, no seu look. Para evitar o #efeitofraldinha, aposte nos modelos em RENDA. Descubra como eles são os que melhor abraçam a silhueta, não apertam possíveis gordurinhas

Em contrapartida, os modelos com elásticos nas laterais, detalhes e enfeites, além de costuras muito grossas, acabam por pressionar a pele e marcam, até mesmo, o corpo das mulheres super magrinhas.

Confira no vídeo mais sobre #efeitofraldinha:

Gostou do vídeo? Então se inscreve no canal: aqui!

#DicaCde

Comprar a lingerie certa pra você é um problema? Morre de vergonha? Tudo bem. Sei que isso acontece, vez ou outra. Então, se joga nas lojas virtuais. Adoro essa aqui e essa aqui. São lugares nos quais posso avaliar modelos de marcas diversas, sem ficar muito presa a só uma marca – como acontece em lojas de shopping, não é.

Invista em lingerie com o mesmo carinho no qual você investe em bolsas, ou roupas de festa. Vale muito a pena.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *