E se a moda passa…

Publicado em Categorias Comprinhas

Quando pensamos em tendências logo imaginamos algo descartável, de pouca durabilidade em nossos guarda-roupas. Pode ser assim, ou não. O valor de um investimento varia muito de caso pra caso, de consumidor pra consumidor, podendo funcionar por muito tempo ou apenas por alguns poucos usos de mera empolgação.

Não há uma ciência exata para se calcular a ‘validade fashion’ de um produto de moda, mas existem algumas considerações que auxiliam nessa compreensão. Saber ao certo quantas vezes você vai usar determinado produto é algo quase que impossível de se medir, mas podemos ponderar sobre a produtividade da peça, tendo em mente questões como qualidade, estilo e consistência do produto dentro de um conjunto.

Antes de tudo, tenha como padrão o seu guarda-roupa. Não pense focando nas peças chave da estação, ou nas referências indicadas pela revista. Imagine o seu acervo e tente encaixar a peça ali. A partir disso, seguimos adiante com a certeza de que o foco está em você.

Para mera exemplificação pego as peças da coleção de verão Maria Bonita Extra. Um show de brilhos, transparências, texturas, estampas, cores cítricas em plena harmonia com tons pastel. Tudo muito feminino, com direito a detalhes em laço, seguindo a linha da marca; dobras e recortes servindo como base na modelagem. Mas, o que vai durar?! O que não vai durar?!

Peças mais neutras possuem vida longa no guarda-roupa.
Mas, é disso que você precisa?!

Peças de um só tom, com corte clássico ou limpo, possuem mais indícios de uso por permitirem um volume maior de composições com as peças já existentes em seu guarda-roupa. As chances de você cansar de um vestidinho salmão, de comprimendo midi, ou mesmo de uma bermudinha clara básica, são bem menores do que as de você enjoar de um vestido estampado cheio de dobraduras. No entanto, pra quem possui um guarda-roupa todo neutro e está sentindo falta de algo mais diferenciado vale mesmo comprar a camiseta brilhosa cheia de paetês, e usar muito durante e depois da estação.

Roupas estampadas ou brilhantes são datadas.
Por quantas vezes você conseguirá repetir tal look?!

Características muito marcantes podem ser desde o padrão, excessivamente trabalhado em editoriais ou catálogos, até mesmo um tipo de corte que é repetido primeiro entre as marcas mais badaladas e depois entre as confecções que reproduzem o que é sucesso entre os que ditam uma referência. Ou seja, certas peças podem até ser o que você precisa, mas vão cair naturalmente em desuso de tanto que você vai ver essa mesma imagem circulando por ai. Um exemplo
?! Peças de capa de catálogo ou aquelas veiculadas nos anúncios publicitários geram amor a primeira vista, mas guardam a cara de determinado ano. Dependendo do valor do produto, o arrependimento pode brotar.

Para comprar uma peça de tendência, com sabedoria, atenha-se as seguintes questões:
  • Dentro das minhas possibilidades, o preço é baixo, normal ou alto?! Quanto mais alto, maior o investimento então mais vezes você deverá (tecnicamente) fazer uso da peça.
  • Eu já tenho algo parecido no meu guarda-roupa?! Uma ‘novidade’ vale mais do que uma repetição, principalmente se esta for combinar com várias peças que você possui.
  • Quanto, do meu orçamento, a aquisição vai tomar?! Uma peça que come todo seu limite de gastos do mês precisa ser algo minimamente magnífico, super necessário pra não dizer indispensável; já uma peça de custo menor pode ser usada, sem culpa, por apenas algumas vezes.
  • Quantas tendências estão reunidas nessa peça?! Porque algumas roupas são bombas de referências e conseguem reunir um gigante volume de informações características da estação num mesmo, pequeno, pedaço de pano. Com isso, quanto mais características de determinada época maior a possibilidade da mesma lhe enjoar.
De toda forma, comprar ou não comprar entra numa questão muito pessoal. É bacana que cada um saiba o que está fazendo, pra que você não se canse da peça antes mesmo de terminar de pagar o parcelamento no cartão de crédito. Já imaginou?! Acontece. E acontece muito de uma peça datada e de temporada se transformar num hit seu, um sucesso particular, que vira a sua cara e não mais a cara da marca.

8 pensamentos em “E se a moda passa…”

  1. Adorei o post!Realmente tem horas que precisamos pensar muito bem na hora de aquirir peças de alto custo.
    Bjsssssssssssssssssssssss

  2. Muuuuito legal o texto, Amanda !

    Surgiu aquela dúvida sobre a estampa de bicho e nada como encarar as coisas de uma maneira consciente e não sair comprando compulsivamente (como ja fiz muitas vezes), de acordo com o que a moda te fala, simplesmente pra "estar na moda".

    Antes de olhar pras tendências, claro que é super necessário olhar pro nosso próprio guarda roupa e principalmente pra si.

    Esse texto é tipo daqueles pra gente ler sempre ! Super adorei ! Vai pros favoritos !

  3. O que mais gosto no seu blog é que você trata de assuntos complicados de uma maneira simples, mas sem deixar a gente de fora. Continue brilhando.

  4. Gostei muito dessa estratégia de mencionar algumas marcas conhecidas como forma de ilustrar um assunto: deixa tudo tão mais concreto!

  5. Perfeitos os conselhos!
    Sempre foquei peças que se casavam com o que eu já possuia no armário.
    Valeu a dica das tendências que podem se tornar a sua cara. 😉

  6. OFF TOPIC:

    Coincidentemente, hoje postei no meu blog sobre o visual das pessoas que conversam com webcam. A falta do senso de estética virtual…rs
    Para quem se interessar!

    Bjs

  7. Perfeito o post Amanda …. ter consciencia realmante vale a pena e nos ajuda na hora de começarmos a enxergarmos quem somos e o que queremos o q é o meu caso !!!! ajudou mo
    bjs : )

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *