Corpos em forma de Triângulo

Publicado em Categorias Conversinha, Moda Teórica

Entre os muitos tipos de corpos e silhuetas estão aqueles caracterizados por triângulos – invertidos ou normais. As mulheres de corpo triângulo, padrão, são aquelas de pernas grossas e quadril largo, enquanto o tronco e busco são estreitos e delicados. Já as mulheres de corpo triângulo invertido são aquelas que possuem muito busto e ombros largos, enquanto coxas são finas e quadril estreito. O que se vê, em ambos os casos, é a necessidade de se equilibrar o peso visual em busca de uma silhueta coesa e harmônica. Tarefa fácil e simples, não é… mas também não é algo impossível de se obter.

Para as mulheres de corpo triângulo vale investir em formas lisas e com poucos detalhes na porção inferior da silhueta, focando em modelagens limpas e longas. Trabalhe com saias estruturadas de formato evasê ou mesmo com leves e discretos godês, principalmente se fluidos. A ideia é fazer com que o volume do quadril e das coxas pareça sair da roupa e não da sua própria silhueta – para tal é bom ter em mente roupas que não sejam muito agarradas. Comprimentos indeterminados, como as calças capri ou saias longuete que encurtam as pernas e com isso fazem com que o quadril pareça ainda maior; trabalhe, então, com os comprimentos longos, medianos ou mesmo mini – dependendo da situação e de outros fatores que nem precisamos citar.

Na parte de cima do corpo jogue com peças detalhadas, estampadas, de cores atraentes que façam com que tronco e colo cresçam e chamem mais atenção. Detalhes ou acessórios num ponto alto do corpo alongam a silhueta e fazem com que a mesma pareça mais magra – no entanto se faz possível trabalhar com certos volumes próximos ao busto, que podem sair de lenços, colares, aplicações em blusas ou mesmo sobreposições de jaquetas e tops que manipulem bem essa questão de deixar coeso o peso visual.

Já as mulheres de corpo triângulo invertido devem ter em mente um pensamento e uma visão bem contrária, sem deixar de lado a questão essencial de se alongar, muito, a silhueta. Quem não quer ficar mais alta?! Trabalhe com saias, calças ou vestidos de forma mais detalhada e chamativa na porção inferior, enquanto as peças superiores precisam sem bem sequinhas e limpinhas, garantindo que mais volume visual não seja acoplado no busto e no tronco.

Para não deixar o busto muito pesado não se esqueça de jogar com decotes, mesmo que mínimos que abrem a postura e deixam em voga toda sua feminilidade. Pensar que modelagens largas e amplas disfarçam muito busto é um grande erro, por isso preze sempre por corte ajustados – mas não agarrados. Na parte de baixo do corpo pode-se ainda pensar em comprimentos cortados, saias amplas estampadas, bermudas ou tudo aquilo que faça com que seu quadril (bumbum e tudo mais) pareçam maiores).

Nesse jogo de triângulo x triângulo invertido nunca se pode esquecer que não é apenas isso, ou tal análise, que determina se uma roupa vai lhe cair bem ou não. Há de se pensar ainda na sua estatura, forma física, características pontuais (cinturinha, bumbum, braços, postura…) que são mega complementos das análises iniciais pelas quais se faz a estruturação de um estudo de biotipo.

Não vale se prender a imagens idealizadas de forma a querer que suas coxas finas fiquem grossas de uma hora pra outra. Nada disso. Nesse processo de aceitação vale encarar de frente a realidade e ir em busca de formas que lhe façam se sentir bem com o corpo que você têm – ou seja: roupas que lhe dêem o conforto e a confiança necessária para que você se sinta sempre bela com sua imagem. A razão dos esqueletos?! Porque podemos emagrecer, engordar, passar olhas malhando ou fazendo massagens mil que nossa estrutura corporal será sempre a mesma. Fato. Certas coisas estão fora do nosso controle.

10 pensamentos em “Corpos em forma de Triângulo”

  1. Ai Amanda, obrigada por responder ao meu pedido! Entendo tudo que disse mas sei que preciso/quero mesmo é uma análise personalizada e assim que po$$ível nos falaremos. Mas queria dizer que fiquei emocionada com o comentário final porque é isso mesmo: façamos o que façamos nossa estrutura física não muda e é preciso aceitar isso para ser mais feliz, não é? Boa noite!

  2. Olha eu de novo! Poderia indicar livros que tratem das cores? isso mesmo : que expliquem um pouco sobre a teoria das cores e ensinem sobre o processo de composição e uso das mesmas. Mais uma vez obrigada!

  3. Incrível! Cada vez que leio esse blog aprendo mais, ma-ra-vi-lha!!!!
    O tema triãngulos eu até sabia da existência, o que precisava aprender era como disfarçar aqui e valorizar ali….rs

    Obrigada pela aula Amanda!

    Bjs

  4. Meu corpo é tipo retângulo, não tenho quase nada de cintura, mas adoro saber sobre outros formatos, pra ajudar as amigas e "parentas"!!
    Mudando de assunto, vc saberia me indicar alguma referência de looks de roupa de festa? Tipo algum site com idéias?? Tenho um casamento à noite e o frio deverá ser de leve a moderado (moro no DF). Acho difícil comprar vestido de festa, acho tudo tão cafoninha nas lojas ace$$íveis… Por outro lado, é complicado gastar um dinheirão num vestido de grife, sendo que vou usar uma ou duas vezes! Que dilemaaaa!!!

  5. Suse, falarei sobre cores… anotado! E terei o maior prazer em lhe atender… me escreva que conversamos melhor sobre as possibilidades. E, no mais, acho que nessa relação corpo/roupa o que conta (pra se sentir bem) é essa coisa de se aceitar para moldar a beleza de dentro pra fora e também de fora pra dentro.

    Vera, leitora querida!

    Li! Falarei sobre a silhueta retângulo e vou pesquisar sobre as referências e logo posto aqui.

  6. Off topic…rs
    Bateu a inspiração com o frio, fiz uma crônica sobre a moda inverno cafona que usamos em casa, aquelas roupitchas que não combinam com nada mas esquentam….rs

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *