Pensando sobre coisas e sinais da (tal) vida

Existem dias, ou épocas, em que a vida ensaia brincar com você. Sinais, indicações, encontros, desencontros, falhas e acertos que parecem lhe contar uma história. Mas, o quão difícil é entender o contexto?

Encarar uma realidade para a qual tapamos os olhos pode ser muito doloroso e cruel. Principalmente quando a novela se arrasta por muito tempo, passando a ser parte de seu cotidiano.

Já percebeu o quanto é difícil se desapegar de um costume?

Não mais que de repente a vida (essa tal vida, quase uma pessoa materializada) vem lhe dar um susto jogando nas suas mãos, repentinamente, um mundo de informações novas a serem assimiladas. Em meio a essas novidades, talvez das quais você já muito desconfiava, brota a vontade de não acreditar ou ao menos de acreditar naquilo que o outro (ou outra) lhe fala.

Saber qual decisão tomar é muito difícil e as estatísticas apontam que quase sempre tendemos a cair no erro, dramatizando pontos a serem esquecidos e menosprezando detalhes e descobertas que tudo possuem de real.

Num mundo onde não conhecemos ninguém por completo, mas estamos sempre conectados por coincidências e amizades ligadas à amizades, o que parece mais seguro é confiar em seu coração. Por mais clichê que isso possa soar.

Alguns lhe enganam, outros tentam lhe enganar, mas se algo está acontecendo é porque do jeito que estava não podia mais ficar.

Recomeços

Falo, ainda, sobre seguir o sexto sentido. Às vezes parece que a vida (Vida, vou mesmo lhe tratar como pessoa) trata de organizar suas peças, forçando recomeços e encerrando etapas. Procure curar feridas, esquecer erros do passado e superar medos.

Devemos acreditar sempre que se um ciclo se fecha é porque outro muito melhor e mais bonito está para começar.

Que tenhamos força para recomeços, que tenhamos coragem para nos expor e que mentiras apareçam em meio a coincidências, nessas coisas que nem os filmes conseguem reproduzir tão bem. Nesse mundo não existem protagonistas e antagonistas, somos todos personagens buscando um objetivo em comum – a felicidade.

Se cada novo dia é uma página em branco, temos o direito de nos recusar a repetir um final infeliz.

Texto publicado originalmente em 10 de setembro de 2010.

7 pensamentos em “Pensando sobre coisas e sinais da (tal) vida”

  1. Vontade de ser sua amiga e te de dar um abraço pelas linhas que escreve de maneira tão acolhedora. Nunca comento mas estou todos dias aqui. Parabéns e siga seguindo seu coração bom.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *