A Gente Sempre Sabe

A gente sempre sabe

A verdade das verdades é que inconscientemente sempre sabemos o que é melhor para nós e o que veste bem nossa silhueta. Possuímos, de certa forma, um bom senso natural que nos indica o que é que nos favorece, no entanto somos prejudicados por nossa vontade de ir contra o que cai bem em nossos corpos. Talvez isso aconteça devido a um desejo de seguir tendências ou mesmo de copiar referências… ou por não termos uma imagem clara do corpo que temos… por isso a importância de se olhar no espelho.

Vejo muito com minhas clientes que grande parte das orientações apresentadas no Guia de Estilo já fazem parte dos cuidados tomados durante a escolha do que vestir; mas em contrapartida outras questões nunca passaram por suas cabeças… só que com um mínimo teste o resultado fica claro e é como se aquilo ali fosse óbvio demais para passar despercebido.

Vale confiar na intuição… naquela que brota bem antes do gosto estético.

Mentes Criativas

Pantone

Mentes criativas, grandes conhecedoras do belo, buscam em sua imagem uma extensão de seu bom gosto e profissionalismo. Coloque nessa turma as decoradoras, os profissionais da publicidade, designers, arquitetos, artistas plásticos e afins. São todos grandes conhecedores do poder da estética que acabam por, de formas e maneiras diferentes, conquistar novos clientes e projetos com muito do que vestem e comunicam através de suas roupas.

Existem mensagens que toda profissão envia, visuais caricatos e esperados para todo e qualquer tipo de campo. Vejam os advogados que são sempre imaginados em terninhos; os médicos que esperamos sempre com roupas completamente brancas; engenheiros de jeans e camisas para fora da calça ou mesmo biólogos de jalecos brancos e óculos de grau. Já para os profissionais da criação o que se espera é algo criativo e ousado, colorido e vibrante, com direito a bolsa repleta de materiais.

Deixando esses conceitos prontos vamos pensar um pouco além para ver o que a imagem de um profissional da criação realmente deve transmitir. Espera-se um visual bonito, obviamente, mas que diga algo sobre sua linha de trabalho… sobre seus gostos pessoais. Pode ser algo mais limpo, clean, ou mesmo uma imagem dark e misteriosa; místico, étnico ou infantil e lúdico. A questão não está no certo ou errado, mas sim se aquilo está pertinente a sua realidade como pessoa e como profissional.

Fica a dia então para as mentes criativas de plantão. Busquem em sua essência algo que seja importante para você e tente expressar isso através de suas roupas, acessórios, complementos…  assim como vocês diariamente fazem com a história dos outros – traduzindo desejos e vontades em superfícies variadas que passam por telas, paredes, ambientes ou papéis.

As Mulheres e a Moda

Jimmy-Choo-Shoes-SS09

Que relação estranha é essa que liga as mulheres e a moda?! Que jogo é esse que faz com que as tendências e novidades sejam tão procuradas e perseguidas essencialmente pelo público feminino?! É difícil mas não impossível entender o que acontece nesse relacionamento de altos e baixos; porque ao mesmo tempo em que amamos a ideia do consumo de moda temos aquela sensação de vazio que nos mostra que existem outras coisas tão ou mais importantes do que se vestir bem.

A moda se alimenta do fetiche, desse jogo do conquistar o que não se possui ou mesmo de desejar algo que não será de fácil aquisição. A moda é o próprio fetiche com seu poder extremo de sedução e atração, exercido não apenas pelas incríveis ferramentas da publicidade, mas também por ser ela o que ela é. Ela possui poderes, desconhecidos mas intrigantes que mexem com o íntimo de cada um e nos dão os alicerces para sermos, talvez por um dia ou por toda uma vida, uma pessoa que simplesmente sonhamos em ser. Não se trata de enganar a plateia mas sim de satisfazer desejos íntimos e as mais loucas ambições emocionais.

Jimmy-Choo-AW09

Usamos a moda como uma arma de sedução para conquistar amores ou amantes, como um abrigo que nos afasta do mundo real e dos problemas cotidianos, como esconderijo ao criar um capa ou véu na nossa real identidade, como forma de diversão se brincarmos com a vida, como vitrine de crenças e credos ou mesmo como símbolo de status para conquistar espaço ou abrir novos caminhos. Nessas exemplificações apenas algumas das possibilidades da moda, não como produto mas como um meio, que faz com que nós mulheres possamos nos sentir poderosas e donas de nosso mundo, manipulando nossa imagem para conseguir o que queremos.

Sendo assim podemos concluir, ainda que de forma vaga e poética, que com a moda encontramos mais uma maneira de sermos donas de nossa vida e de nosso caminho! Por mais que a figura feminina esteja historicamente ligada a possível fragilidade e carência, em graus variados, é fato que desde sempre houve essa veia que nos impulsiona a desejar abraçar o mundo – com muita vontade de ser ouvidas! E a moda é perfeita para tal brincadeira. Ela é arma ou consolo… essencial e fugaz de sua forma frívola e efêmera.

Nas campanhas de Jimmy Choo, SS09 e AU09 respectivamente, os calçados vestem a mulher e fazem com que ela incorpore sua personalidade forte e ousada…. sendo este apenas um exemplo das inúmeras caras que a moda, em seu suporte mais perfeito, pode abraçar.

E me contem vocês… o que querem da moda?!

“A moda, como toda manifestação do gosto, é traiçoeira e, quando analisada de perto, esconde suas feições mais características, induzindo o observador ao erro (…) as mudanças da moda ligam-se a transformações mais vastas e completas, do modo de ser, sentir e pensar de uma sociedade, o verdadeiro significado da sua franca adoção nos escapa.”
O Espírito das Roupas
Gilda de Mello e Souza