Tá tudo bem: a volta da pochete

Quem fica de olho nas tendências e nos modismos já reparou: a pochete renasceu. Bom, ela nunca esteve morta. Mas, de tempos em tempos a bolsa feita para ser usada na cintura ressurge. De maneiras diferentes. E levanta vários questionamentos, do tipo: vale investir?!

Bolsos amarrados na cintura

Antes de tudo é legal pensar que a pochete não é uma coisa nova. Ou mesmo só mais uma moda estranha dos anos 80. Acha que estou exagerando? Pois, não. Lá pelo século XI elas já existiam, como bolsos amarrados na cintura e utilizados por homens e mulheres. Depois, ganharam novas formas. Ficaram mais requintadas e trabalhadas. E começaram a ser pensadas em materiais um pouco mais nobres. Desde sempre, as pochetes (ou bolsas de cintura) são lugares práticos para que cada um carregue os seus objetos de maior valor.

Só que aí vieram os tais anos 80. E a pegada de classe e elegância (quase de nobreza) se foi. O acessório ganhou fama ruim e passou a ser confeccionado em materiais um pouco mais simples. Por vezes divertidos. Ora com estilo esportivo, ora meio maluquinho.

Mas, nem tudo estava perdido para a pochete. Em 2014 ela reapareceu discretamente, mas super elegante. As grandes maisons incluíram a bolsa de cintura em suas coleções. E, o melhor, ela ganhou versões bem bacanas. Feitas em couro, ou como reproduções em tamanho mini de bolsas clássicas, as pochetes passaram a ser peça-desejo.

O melhor da pochete, de verdade, é a praticidade que ela traz. Ter as mãos livres, sem nada para segurar ou carregar, é algo que facilita a vida de qualquer mulher!

Se ainda bate um medo de investir em uma pochete, e se arrepender, pode mudar de ideia já. Talvez o acessório seja eternamente controverso, mas algo não se discute: ele é prático e imortal. Tem hora que o que a gente precisa é de viver a moda sem pensar tanto nas regras de peso visual e buscar soluções que sejam boas e positivas para a nossa rotina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *